June 25th, 2014
Está quase na hora, a batalha está aqui. Oh amigos meus, eu vi o veneno preencher o ar. Uma guerra está sendo travada com um toque mortal… Guerra, mas que coisa trivial, uma noite com batalhas não é minha aventura, mas uma curiosidade existe; Quem perderá e quem vencerá?
Anonymous 

Viktor, O Inventor!

Viktor, um cientista louco que foi tão menosprezado que suas teorias eram realmente legitimas e ninguém procurava incentivar no desenvolvimento das mesmas, mas ele ficou tão obcecado com seu trabalho que acabou por virar a própria invenção, ele também se intitula pelo nome de “Inventor”, ele em si vagava pelas ruas de sua antiga cidade e de forma cativante conseguia atrair seguidores para sua causa de mudar a humanidade para maquinas poderosas, conseguimos gravações sobre como ele se abordava:

“Você está tão mal projetado para isso (Rindo ironicamente), de importância muito agradável meu cérebro permanece detectável, então, muito, muito confiante a batalha é inevitável; Esse dado é incrível, minhas descobertas são inesquecíveis, padrões flutuantes me dizem que tem algo nessa parábola.

De qualquer forma, eu sou o Inventor, um ousado experimentador; Junte-se como meu acólito e eu serei seu mentor, a ciência irá destruí-lo e te fará novo novamente, os presentes que eu ofereço agora: “Poder eterno e um novo ponto de vista”.

Aço irá concertar suas falhas, você ficará acima das leis humanas, você vai zombar deles que são feitos de carne, eles vão cair para te idolatrar sob seus pés… Esqueça agora a vergonha da derrota! Nossa vitória será tão doce!”.

E foi dessa forma com grandes argumentos que Viktor convenceu diversas pessoas a se tornarem suas fieis, ajudantes, ratos de laboratório, ele criaria um universo cheio de suas invenções. Conseguimos um dia mandar um robô para seu laboratório e o que vimos lá foi de chocar qualquer um…

“Substitua todas suas emoções insignificantes ou mantenha seu sangue e sangrará oceanos… Todos os seus pequenos sacos de carne presos com velhas bruxarias, veja como a pele deles cedem, eles são alimentos para meus laboratórios. Seus corpos são tão frágeis, nós seremos seu ultimo desejo, esta é a revolução… A Gloriosa Evolução!”

Imagine o que quiser sobre ele, mas quando ver um homem deitado na mesa de operação dele com seu cérebro retirado, corpo desconfigurado, com protótipos robóticos em braços e pernas  e um homem sem qualquer remorso estampado na cara por tais atos, me diga qual lado irá escolher… O bem ou o Mal…

June 24th, 2014

Mulher Maníaca

Existe também além dessa maligna figura assassina de mulher uma garota jovem a beira de seus 20 anos de idade, ela em si não era como as outras, essa tinha visão, não para o bem, mas sim para o mal e completa aniquilação mundial; Essa garota apenas quer aparecer e ser notada, seu objetivo maior é transformar o mundo em completo caos, seu nome é Jenny… Mas saibam que ela nunca será subordinada de ninguém, ela tem acesso a armas e diversas informações, nós não sabemos como essa garota consegue isso, mas um dia recebemos a gravação de seu roste e voz dizendo o seguinte:

“Olhe para os meus olhos, tente ver o que eu sei, uma pequena jornada retorcida pelo caminho da psicose, uma vivida premonição se manifestando indigestamente por todas insignificantes ninharias¹ ensinadas aos adolescentes condescendentes; Estou divagando… Sou uma garota complicada com muitos desejos simples; Um foguete mundial tem seu povo dormindo com os peixes, quero dizer, matar todos vocês (Rindo Maniacamente) e quando sua cidade chegar a ponto da desolação, um pequeno passo e eu consigo destruição e completa incineração global.

Eu não sou normal e eu não pretendo parecer, minha abordagem é praticamente um crescendo² em forma de bomba, a realidade é falsa e ela realmente é, porque eu digo! Demolição caótica? Bem, esse é apenas o meu forte. A morte é uma forma divertida para fazer o tempo passar, embora vária balas se movem em stoccato³.

O terror do meu reino viverá na infâmia, cantando a sinfonia de um homem morto enquanto todos eles perecem e morrem aos montes. Tenho simples desejos, então boa sorte pessoas da ‘lei’ (Terminando a gravação com Jenny rindo incessantemente).”

Sabemos que ela é uma maníaca pronta para explodir o mundo, mas nem sabemos se ela é como era na gravação…

¹ : Coisas de pouco valor;

² : Crescimento gradual do volume, variações de intensidade musical

³ : Sequencia rápida

June 23rd, 2014

Deusa da morte (16+)

Ah… Morte silenciosa é o nome pelo qual me chamam, mas meu nome para todas as mulheres é Elis, espreito pelas ruas escuras e becos; Ajoelhe-se perante a rainha do amor e da morte, a mais bela mulher que você idolatrará quando me ver andar testando os limites dos homens com minha neurotoxina.

É uma vergonha quando você foge e eu te caço, você sabe que a morte apenas se aproxima, não negue meu abraço e conforto; A suavidade da minha voz te deixando atraído ecoa em sua cabeça, eu sou intoxicante.

Bem no seu cérebro eu injeto meu veneno, minha carnificina reina caótica, perfeita e simbiótica, as luzes se escurecem, as veias estão pulsando e seu coração está falhando, a garganta está inchando, seus olhos estão sangrando, seus tecidos estão adoecendo, você está se contorcendo no chão sentindo a decadência de sua carne.

Eu te beijo e te mordo em seguida, bebo seu sangue com tanta virilidade, sua alma se vai e eu digo suavemente em seu ouvido: “Coberto de medo, cubra seus olhos, vá para aquele lugar onde você se sente seguro, confie nas mentiras, diga a si mesmo que você ficará bem, mas você não pode negar, os calafrios na sua espinha.”

A morte é um processo da vida e depois de ter esse encontro com a deusa da morte você pode entrar no reino dos mortos e sofrer vagando para todo o sempre no vazio…

Seu Emissário: ******

May 31st, 2014

(Se te fez querer mais avise, colocarei uma continuação)

Sabia que tudo começou como um acender de um fósforo, simplesmente pegando fogo, queimando de forma intensa e da mais palpável e pura beleza, foi bom enquanto teve o seu tempo de duração, mas minha vida não tinha sido em vão, apenas por um simples motivo… O amor, sim minha leitora, o amor, dedicando ele a tudo que apreciei e zelei com a maior intensidade; a princípio imagine-se em um lugar aberto, você consegue ver o céu azul e belo, com nuvens brancas passando pelo horizonte de forma passageira, você sente o vento passar, ao mesmo tempo você esta em um chão quase que coberto com água, você pode ver o reflexo do céu nele, parece um limbo esse local que eu acabei de descrever, não é o paraíso nem o inferno.

Nesse lugar de pura simplicidade e beleza eu penso em como minha vida está, me lembro de minha infância, minha alegria mais comum e simples, sem muitos problemas, passando anos de minha vida amadureci e até que eu pude saber o que era amar, soube o que era esse sentimento, passei dias admirando uma garota, eu sentia meu peito apertar, eu já cheguei a dar flores e chocolates em dias completamente aleatórios, sem certo motivo, eu fazia isso para vê-la sorrir… Esse era meu objeto, vê-la e mantê-la sorrindo.

Mas como muitas eu tive paixões platônicas, as quais nunca aconteceriam, mas se me lembro o amor platônico não era como o dos dias de hoje, antigamente era algo que era almejável e era para uma troca de conhecimentos e não o amor em si, tanto faz, o que importa aqui é o que eu tive passado, o que eu senti e até o que eu penso; eu estive pensando nessa vida minha… Quem me dera ter sido alguém que realmente foi importante para alguém, os sorrisos que eu distribui, os momentos de alegria que fiz pessoas terem, eu fui aquele que alegrou quando não tinha motivos para a alegria, eu fui aquele que motivou e acalmou nos seus momentos tensos e mais fervorosos, eu fui aquele que a motivou, consolou, deu amor para os momentos de tristeza pura e intensa; Eu fui uma pessoa, não um garoto, não um inocente, fui um homem, eu mesmo não me importei com o que eu estava passando, eu observava alguém triste ou chateada e eu ia até essa pessoa conversava, relutante em se abrir eu a fazia sorrir e ela esquecia de seus problemas e mantinha contato comigo, já que essa sabia que teria alguém para conversar em momentos tensos e tristes.

Passando esses casos eu fui uma pessoa verdadeiramente gentil, não me importei muito com minha vida, eu me importava em fazer todos se divertirem e sorrirem, teve um tempo que por dentro, mesmo fazendo outras pessoas felizes e sorrirem eu, quando terminava, chegava em casa, tomava um bom banho, me trocava e pensava “sou infeliz e estou sozinho”; isso mudou no dia em que conheci uma garota, uma mulher linda e que mulher linda eu conheci.

Aquele mundo preto e branco que eu tornava colorido com sorrisos e alegria passou a ficar melhor e maior, essa mulher foi o que me causou meus momentos de delírio, eu a vi pela primeira vez quando eu saia de meu trabalho, eu elogiava meus “pacientes” por assim dizer, eu ficava horas conversando com pessoas, ouvindo suas histórias melancólicas e dando aquele empurrão que as faria sorrir e seguir em frente sem o menor problema; eu terminara de conversar com uma senhora que sentia falta de seu animal de estimação, enquanto eu saia da praça onde havia encontrado aquela senhora eu vi aquela mulher linda e estupenda passar do outro lado da rua, eu parei por alguns segundos e a observei ao longe, vi a sua forma de andar, seu cabelo solto ao vento, trazendo consigo um sorriso maravilhoso e reparei que ela era até que um pouco grande, mais velha que eu, dane-se a idade eu não me importo, mas quando a vi eu senti meu coração pela primeira vez bater… Há quanto tempo eu não sentia ele bater forte…

Eu vi que ela andava para o mesmo sentido que eu ia, então eu um jovem ingênuo cativado por sua beleza, como uma mariposa ama voar pela luz do luar, eu atravessei a rua e continuei andando até que vi ela parar em uma floricultura, haviam muitas flores belas, tulipas, margaridas, rosas, orquídeas, cravos e muitas outras; eu a vi admirar as flores e ela olhou para mim, eu travei, olhei seus olhos, vi aquela cor castanha, parecia avelã, que olhos lindos, ela depois entrou na floricultura, eu como um bom babaca, desculpem o termo, eu fui até a entrada vi as flores e peguei uma rosa e entrei na floricultura, ela estava olhando outras flores e eu fui até o balcão pagar pela rosa, a dona bem velhinha do estabelecimento me olhou, sorriu, me deu um bom dia e perguntou se eu gostaria que embalasse a rosa, disse que não havia necessidade e ela me olhando bem nos olhos disse: “Você está bonito, é para uma ocasião especial, imagino”. Eu disse que não e que daria a rosa para alguém especial, ela riu levemente e disse: “Espero que ela goste dessa rosa, eu as trago de bem longe e são as mais belas rosas que temos”. Eu agradeci e quando me virei dei de cara com aquela mulher a qual me apaixonei só ao olhar, ela estava esperando eu acabar de comprar a rosa, então eu hesitei por um segundo e sai, passando ao lado dessa mulher eu senti o perfume doce que ela tinha, era tão suave e atraente, eu fiquei louco para conversar com ela, eu decidi esperar e quando sai da floricultura eu me apoiei na parede ao lado da porta da floricultura.

Alguns segundos depois a mulher que havia visto saiu e eu chamei a sua atenção, eu estava com a rosa em mãos, percebi que ela não estava com nada, perguntei se ela gostava muito de flores e eu pude finalmente ouvi-la falar; Que sublime voz, que suave tom atraente era esse; Ela havia dito que estava sem dinheiro para uma cesta que havia gostado e que gostava muito de flores, eu com a rosa em mãos dei à ela e disse que a achei muito bonita e se eu ao menos teria uma chance para sair com ela, os olhos delas foram de espanto, sua bochecha ficou levemente rosada e ela disse: “talvez…”. Eu me apresentei dizendo meu nome e ela retribuiu dizendo que seu nome era Gabriela, ela gostou da flor que dei para ela, deu um lindo sorriso e eu disse que ela tinha um sorriso lindo, ela ficou um pouco mais rosada e agradeceu…

hit counter
hit counter